Uma paixão inspirada pelo cinema

16 de out de 2008

Frederico Viebig, 25 anos, sempre gostou de carros tunados. Em 2001, ao assistir o filme Velozes e Furiosos, ele decidiu: “Tenho que equipar meu próprio carro”. Ok. Ele tinha o desejo, mas faltava o dinheiro necessário para começar a “brincadeira”, nome que o próprio concede ao seu principal hobby. Convencer o pai sobre o investimento era a tarefa mais difícil e improvável de acontecer. Foi então que Fred resolveu agir: Comprou um modelo do tão e sonhado Peugeot 206 de segunda mão e só depois que assinou toda a papelada para requerer a documentação do veículo que ele pensou: “Agora não tem mais volta”.
Foi difícil no começo, ele diz. Morador de uma vila de São Paulo, a primeira compra de Fred para seu carro foi uma capa para esconder o Peugeot dos seus pais: “Trouxe o carro para a rua da minha vila e o cobri com uma capa para meus pais não desconfiarem. Se eles vissem que se tratava de um Peugeot 206 saberiam que eu era o dono. Sempre souberam da minha paixão por esse modelo”, conta. Como esconder um carro não é algo parecido como sumir com uma chave, o pai de Fred descobriu. Mas não dava mais tempo de devolver o veículo e o próprio dono afirma que se tivesse que fazer isso iria começar a dormir no próprio carro.
Depois que seus pais aceitaram a idéia, Fred começou a investir na sua paixão. O estilo adotado foi o Street, que prioriza a preservação da pintura original do carro e não adota uma pintura mais chamativa típica de outros modelos de tuning. Como diferencial, o Peugeot 206 traz uma faixa lateral inspirada no modelo do Mustang GT, em adesivo refletido, além das lanternas led, roda aro 17 e um som potente – Kit duas vias da série Diamond da Bravox, subwoofer W 307 da Pionner e um DVD B-52 com touch screen, que levaram Fred a ficar em segundo lugar no campeonato de som em uma edição do X-Treme. Mas se o som já está do jeito que o dono queria, o motor ainda tem uma estrada pela frente: “Esse modelo da Peugeot é difícil de aceitar o turbo, mas eu vou colocar um kit de nitrogênio. Minha próxima meta é colocar esse carro no autódromo de Interlagos. Acho errado correr na rua”, diz o prudente Fred.
Depois de um ano completado em investimentos e presença na AutoShow Veículos Antigos e Especiais, Fred afirma que seus pais já começaram a admirar o hobby do filho: “Antes meu pai fazia cara feia e até brigou por eu ter comprado esse carro e gastar dinheiro com ele. As coisas mudaram. Essa semana ele me pediu o carro emprestado para ir trabalhar (risos)”.